Informações e Novidades
.....

13.FEV

Dólar sobe 1% para R$ 3,75; Bolsa recua pressionada por bancos


O dólar fechou em alta de 1% ante o real nesta quarta-feira (13), em sessão de ajuste após queda na véspera e em meio a ansiedades ligadas à reforma da Previdência.

O dólar comercial subiu 1,05%, cotado a R$3,753. No pregão anterior, a moeda americana havia caído 1,31%, diante do otimismo no exterior que alimentou apetite por risco.

A alta hospitalar do presidente da república nesta quarta elevou apostas de que a reforma da Previdência começará a avançar, mas avançou a ansiedade de investidores para conhecer os termos do texto.

O Senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve discutir a proposta com o Bolsonaro já nesta quinta-feira (14).

“O mercado financeiro fica de olho agora em como serão os detalhes em relação à reforma”, afirmou Alessandro Faganello, operador de câmbio da Advanced Corretora.

Apesar das sinalizações de que a pauta poderá começar a caminhar, ainda não há informações suficientes para se desenhar um cenário de médio prazo, o que acaba segurando o investidor, disse o gerente de câmbio da Tullet Prebon, Italo Abucater.

A agência de classificação de risco Moody’s avaliou que a reforma da Previdência não deve ser aprovada antes do terceiro trimestre, com a chance de ser adiada ainda mais.

O real opera em linha com as moedas emergentes – 17 das 24 principais divisas se desvalorizam em relação ao dólar. Dados de inflação nos Estados Unidos mostraram que os preços ao consumidor permaneceram inalterados no país pelo terceiro mês consecutivo em janeiro, levando ao menor aumento anual da inflação em mais de um ano e meio, o que pode permitir que o Federal Reserve (banco central americano) mantenha a taxa de juros por um tempo.

Mas a bolsa brasileira se descolou do exterior e fechou em baixa, após um dia volátil.

O Ibovespa, índice que reúne os papéis mais negociados, caiu 0,4%, a 95.842,38 pontos. Os principais índices americanos e europeus operaram em leve alta.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe nas redes sociais: